Partners

Style2

Style4

Style5[ImagesOnly]

Style9

Ao vermos uma crónica muito triste e ignorante no Diário de Notícias proferida pelo senhor ALBERTO GONÇALVES foi inevitável não fazer um comentário sobre esses seus argumentos que se opõem ao progresso e se limitam à sua forma limitada de apreciar qualquer estilo diferente. Sim,  diferente e isso é compreensível por uma pessoa moderna e inovadora, não por uma pessoa que faz comentários deste género. Hoje em dia para muitos, um Rock mais pesado ou música electrónica também não é música, é baralho!(Grande parte dos cidadãos dos 50 anos para cima).
Vêm falar em analfabetismo e manifestações de rancor social, quando temos rappars com grande cultura e eloquência que muitas vezes fazem criticas construtivas sobre a situação degradante em que Portugal se encontra. Infelizmente estarmos limitados a Socialistas que têm possibilidades económicas e que não se preocupam com a pobreza que existe no país. Como é óbvio ouve-se por aí muito Hip Hop sem qualidade e que pode transmitir essa má imagem a muitos cidadãos, mas isso é como em tudo, se falarmos nos Beatles que revolucionaram o mundo se calhar já não iria fazer criticas desse género quando muitas letras deles também tinham o objectivo de fazer certas criticas à sociedade, mas isto são temas que são impossíveis de debater com pessoas antiquadas, Portugal precisa de inovação e de políticos novos com uma grande força de mudança e com espírito de igualdade.

Para quem quiser ler a crónica do sr ALBERTO GONÇALVES clique aqui.

O hip hop também mata por ALBERTO GONÇALVES
Não tenho grande coisa a dizer sobre a morte, a tiros da PSP, de um morador de Chelas chamado Nuno Rodrigues e (moderadamente) conhecido por MC Snake. Não testemunhei a desobediência do sr. Rodrigues à paragem da polícia nem a perseguição subsequente. Apenas me parece que a execução sumária é uma resposta desproporcionada, e que as autoridades fariam bem em investigar o caso e, já agora, em reorientar o zelo de alguns dos seus agentes.
Mais fáceis de descrever, e mais extraordinárias, são as reacções à morte do sr. Rodrigues. Houve-as de dois tipos. As de júbilo notaram--se principalmente nos comentários da Internet, onde multidões de anónimos exibiram puro ódio a um sujeito de que nunca ouviram falar até às notícias do respectivo fim, as quais incluíam referências a uma temporada na prisão por tráfico de droga. A brutal expressão "Não faz falta nenhuma!" resume o sentimento desta, digamos, corrente de opinião.

As reacções de pesar não foram menos curiosas. Ao contrário dos familiares, de uma contenção apreciável dadas as circunstâncias, a maioria repetiu a tese de que o sr. Rodrigues morreu por ser preto, pobre, rapper e, aos olhos da polícia, um estereótipo. É possível, embora a responsabilidade pelo estereótipo caiba inteirinha ao sr. Rodrigues.

O rap ou o hip hop que o sr. Rodrigues praticava não o transformava no "músico" referido em diversos obituários. No seu primarismo, o hip hop tem pouco a ver com música e muito a ver com uma atitude de confronto face a uma sociedade que é, ou que se imagina, discriminatória. É, vá lá, um estilo de vida, traduzido à superfície no vestuário ridículo e nos gestos animalescos. E nas letras das "canções" (?). As letras, que certa "inteligência" considera "poesia das ruas", são, além de analfabetas, manifestações de rancor social. Por norma, são também glorificações do crime e panfletos misóginos.

O hip hop nasceu na América enquanto braço "musical" e tardio do black power, como os blaxploitation movies dos anos 1970 constituíram o seu reflexo "cinematográfico" (as aspas não são fortuitas). O princípio, se é que tais misérias possuem um, é o de que a "identidade negra" somente se define contra o "sistema", numa postura de desafio e fúria que a "inteligência" julga legitimada por uma suposta opressão. Vale a pena lembrar que, em tempos realmente opressores, os pretos inventaram o jazz, um dos maiores contributos da América para a humanidade. E vale a pena lembrar o exemplo de Louis Armstrong, um génio que os "radicais" achavam o paradigma do "traidor". Tudo porque, tendo sofrido na pele a discriminação, Armstrong preferiu combatê-la pelo talento e não agravá-la através de inanidades gritadas por cima de uma caixa de ritmos.

Obviamente, o hip hop é principalmente uma invenção das indústrias discográfica e televisiva, e não traria mal ao mundo se o mundo não se deixasse influenciar por semelhante patetice. Infelizmente, do Bronx a Chelas, essa celebração da boçalidade é erguida aos currículos escolares e milhões de jovens tomam-na por "afirmação". Na verdade, é o inverso: o hip hop é a sujeição dos pretos ao que o "multiculturalismo" em vigor deles espera. Ao trocar a literatura pela "poesia das ruas", a música pelo ruído, a educação pela agressividade, o esforço pela automarginalização, a única afirmação do hip hop é a da inferioridade. Se levado a sério, o paternalismo condescendente limita os membros de uma etnia a uma existência parcial nas franjas da legalidade. E não anda longe do folclore abertamente racista.

É claro que incontáveis pretos não engolem estas patranhas, e que vários intelectuais "afro-americanos" (o termo em voga), de Thomas Sowell a Thomas McWhorter, exprimem com frequência a repulsa que o atraso implícito e o "segregacionismo" assumido do hip hop lhes suscitam. Ou, nas palavras do historiador Stanley Crouch, "quem no seu perfeito juízo daria um bom emprego a 50 Cent (uma das vedetas do género que ainda não tiveram morte violenta)?"
Ninguém. O sr. Rodrigues, ou sr. "Snake", escolheu o seu próprio estereótipo. O que a polícia fez depois terá sido injustificável, mas não totalmente imprevisível.


Fonte: Diário de Notícias

Divulgação Hip Hop - Admin Hip Hop Tuga

A admin centra-se na divulgação dos seguintes temas:
● Singles Hip Hop criado em Portugal
●Videoclips HipHop
● Mixtapes download grátis
● Beatapes download grátis
● Álbuns para venda online
● Fotos de Arte urbana
● Entrevistas

«
Próximo
Mensagem mais recente
»
Anterior
Mensagem antiga

Sem comentários :

Comenta !

- Utiliza este espaço para fazer comentários construtivos;
- Para te identificares escolhe a opção "Nome/URL" onde deves inserir o nome e da tua página pessoal (ex. Facebook, Blog)